quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Mais Um Sol a Raiar

Sol de sete horas, hoje eu acorde mais cedo
e era horário de verão.
Quem diria bem disposto eu acordei
ouvindo um som de Marcelo Camelo.

Hoje pensei que poderia voltar a durmir e sonhar,
mas preferi sair pra caminhar, sentir a brisa
e o cheiro desse sol queimar minha pele.
Cabelo sujo, ainda nem tomei meu banho.

Hoje eu quis me sentir um pouco mais desnudo,
eu quis, correr por aí como um dia eu fiz
naquela manhã que eu acordei perdendo a hora,
mal tive tempo de me arrumar, sair pra trabalhar.
Mas eu não deixo de querer sorrir!

Apontei para o espelho
e tive o receio
de ser inteiro ou meio
contraditório.
Pois a cama é o refúgio
de quem quer escapar
do dia, da vida
que insiste em caminhar,
todo dia,
e trazer de ti
aquilo que tu buscas
e o que fará denovo
no amanhecer que logo
virá lhe iluminar.
Mais um sol a raiar!

Overdose

Gosto de sentar comigo mesmo
e falar de tudo que me cansa.
Quero deitar-me sob a areia
da terra onde o vento não cessa.

Cobrir-me de vergonha por não ter coragem
de cortar o cordão.
Acender mais um cigarro só pra ver
a vida acelerar seu final.

Não quero mais ter que olhar
pra mim mesmo no final do dia,
mas quero sempre poder
sentar comigo como eu fazia.

As vezes desconheço minha força
e me esqueço dessa energia.
O universo inspirando a alma
do corpo quase sem melodia.

Se eram profundas demais as águas
nas quais mergulhei,
esse salto do precipício
é só mais um que darei.

Não temo nada / a negra água
que eu bebi / matou minha sede.
E o que eu pago / por este casco
não custa nada / por estar vago.