quinta-feira, 27 de maio de 2010

O Perfeito Futuro do Pretérito

Eu queria ter lhe conhecido antes
enquanto seus olhos ainda eram jabuticabas
e seus passos desequilibrados

Agente deveria ter se encontrado antes
enquanto roupas não eram importantes
e tinhamos hora pra estar em casa

Até o sol brilhava diferente
e até sua cor gerava conforto
O assovio do vento e o frio da noite
não eram solidão, mas imaginação

Eu gostaria de ter lhe sido companheiro
enquanto o motivo de seus atrasos não era maquiagem
e o que lhe alterava o humor não era tpm

Agente poderia ter sido o que hoje buscamos
enquanto ainda não tinhamos calos e feridas
e o riso gastava todo o ar contido no peito

Até seu cabelo brilhava diferente
e até sua pele cheirava puresa
O tanto que eu queira você, sem nem lhe conhecer
Eu sabia que era pra ser, mas não cria em lhe perder

Nós não tivemos a mesma infância
mas dividimos tudo o que trouxemos
Nós vivemos por alguns instantes, e depois morremos
agradecidos por termos vivido tudo
exatamente como vivemos.

domingo, 23 de maio de 2010

Sem Fim

Um pouco de cada um que já passou
e muito dos que permanecem
É como se cada pedaço fizesse parte
de varios sonhos diferentes já sonhados
Varios sonhos abandonados
e novos em seus lugares
É que não da pra viver tudo o que se quer
É preciso renovar até mesmo o que não se quis

Então que tudo hoje parece desordem
Existem valores que nunca fizeram mas fazem parte
É uma correria enorme e um vazio gigantesco
Uma tentiva de suprir sabe-se lá o que
Mas precisa ser assim pra quem quer viver aqui
Se há discordância existe desarmonia e a trilha desafina
Daí que existe gosto e desejo e o que um prefere o outro não

De fato acorda-se, vive e à noite a cama é porto seguro
Mas onde aporta-se, também se encontram as aflições
Por hora vive-se algumas pra depois viver outras
A paz, que nunca é plena, vem e logo deixa saudade
Ao passo que a cidade nunca dorme e a mente experimenta outros mundos
Ao longo do dia que se esquece o que sonhou pra viver o que se tem que viver
Atrasado em função do relógio marcando horários certos pra ações esperadas
Engrenagens que mantêm o funcionamento que se deve ter

Avise a vida que ela está correndo demais
Confesse ao corpo que ele precisa de mais cuidados
Ature a própria mente te trazendo o que não quer
Aproveite o que há de bom na forma presente do viver
Tudo está porque foi deixado como se permitiu
Viver diferente é ser diferente e perder-se pra encontrar-se
Reconhecer tudo que ja passou e reescrever cada linha
A cada novo despertar, uma nova forma de pensar
mas deve-se lembrar, deve-se manter, deve-se fazer

Onde está o sonhar...não está o viver
Onde vivemos, fazemos por fazer
Quando fazemos, agimos sem ver
Quando agente vê, já está
É assim, mas se pode mudar
Não mudamos pra que se tudo se mantenha
Tudo mantido, resolvido, esclarecido
Tudo vazio, sombrio...mas eu rio

terça-feira, 18 de maio de 2010

Fetos

Eu me sustento até onde não aguento mais.
Passo adiante, deixo pra trás
e muto.
De cabo a rabo eu nunca sou meio,
e o dia em que eu viver pela metade
serei metade do ser que posso ser,
e sou.

Mas não ouso me esburgar.
Sou o agora,
entre nós atados com ontem e amanhã.
Fui o hoje de ontem,
sou o hoje do amanhã.
Mas amanhã ainda não sou,
e ontem eu já fui.
Sou apenas hoje.

Somos fetos animalescos,
ainda envoltos pela casca do ovo.
Uns de cobra, outros de rato,
até mesmo algumas cadelas.
Alguns impossíveis de se definir;
as cascas confundem, enganam muito,
podendo ser tão duras que nunca se quebram.
Pelo menos não perante outros.

É o desejo do outro que nos define.
Interessa e desinteressa, junta e separa.
Ovos – iguais ou diferentes,
agindo - igual ou diferente
e pensando – igual ou diferente.
Tudo misturado, tudo igual ou tudo diferente.

Somos o que passamos,
somos o que querem que sejamos.
E quando eu ousar me esburgar,
serei a casca que vejo ao chão?
Serei a imagem que sempre vi refletida?
Serei o que vêem?

Eu não me importo,
eu me sustento até onde não aguento mais.
Diante de mim, sou tudo o que puder ser,
e se ainda não o fui é pois ainda não o sou.
Fetos em seus ovos, são o que quiserem,
basta querer, ser, agir e persistir.