sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Encerramento

Eu não sei fazer melhor
eu não sei falar mais claro
Eu posso me esforçar
mas não mudarei minha fala, não

Nem que isso me afaste de você
não vou ceder ao seu querer
Isso só mostra que me importo e não vou deixar
de ser quem você conheceu

Eu mostro o meu pior
quando começo a falar mais alto
Não posso me enganar
e deixar o que eu sei de lado, não

Nem que isso me afaste de você
não vou ceder ao seu querer
Isso só mostra que me importo e não vou deixar
de ser quem você conheceu

Parece que foi ontem que eu te falei
"conte comigo",
só não faz mais sentido
pensar que eu cessarei sua dor

***

Na verdade isso não é um poema, é uma música que eu terminei de fazer hoje.

sábado, 4 de setembro de 2010

Utopia

O que é a tal felicidade afinal de contas?
Um nome, uma palavra inventada, um conceito dado?
Qual sensação realmente traduz essa idéia?
O que você chama de felicidade dura quanto tempo?
A felicidade "é" ou "está"?
Você já parou pra pensar se o que te faz feliz hoje,
também faria no passado?

Pra mim, não existe felicidade, nem amor,
só a dor. É como disse Buda: "tudo é dor".
Existem momentos que a dor não é tão forte,
e então sentimos um certo alivio, conforto,
que perdura um certo tempo, até que outra dor surja.
Buda não disse essa frase de forma pessimista,
e nem eu hei de repeti-la nesse conceito.
Ccomo ele mesmo disse: "toda dor é veículo de consciência".
Pensa bem se tudo o que faz te sofrer não te faz aprender.
É óbvio demais...
E o que você julga te fazer feliz, te traz o que?
O que te faz feliz te basta até quando?

Eu que tanto quis ser principe, sei que hoje sou ogro...
Eu que tanto me olhei no espelho e acreditei,
realmente acreditei que eu seria o ultimo romântico...
Eu que tanto quis ser exceção, ser aquele que citariam
com o sendo o que se diferenciou...
Eu que escrevia sobre o amor
como se ele fosse a melhor das sensações
até descobrir que não...

O amor me foi exemplificado, definido,
antes mesmo que eu pudesse sentí-lo, experienciá-lo,
mas sentir o que? experimentar o que?
Se amor significasse mutualidade
eu queria que o mundo vivesse o amor, de amor,
até que a morte viesse e mesmo assim
ainda haveria o amor, não pelo que se tem ou teve,
mas pelo que se foi (do verbo ser),
ao deixar de ser só um,
ao ser um mais um...mas não é assim que é.
Apenas no papel,
no filme, em poemas, em cartas, em vontades, desejos...
O amor não passa de uma ilusão, de uma meta inalcançável.

Eu gostaria que o mundo deixasse de ser tão teatral,
e que as pessoas fossem mais elas mesmas
e que se dissesse eu te amo, não pela paixão estúpida,
mas pelo bem querer, pelo cuidado que se quer ter,
pela proteção que se deseja, pelo sorriso que se almeja.
Fazer o bem, é tão difícil que mal sabemos o que fazer,
exatamente porque olhamos tanto pra nós mesmos
que nem compreendemos o real motivo da lágrima de alguém,
ou de seu sorriso, ou de seu recolhimento, ou de seu suicídio.

Não ame como nos poemas, não deseje como nos filmes,
não se expresse como em cartas...
O belo das palavras é o que elas realmente podem causar,
e não o que você quer gostaria que elas causassem.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

O Mergulho

Venho rindo cada vez menos,
adentrando certos pensamentos,
definhando em saudades múltiplas
as quais já nem sei distinguir.

Abri certas portas,
que preferia não tê-las aberto,
pois descobri coisas que já sabia,
mas que estavam escondidas em mim.

Ainda é só o começo
e a descida já é perder de vista.
É tão frio aqui em cima
mesmo sendo um dos dias mais quentes.

É como estar em anestesia em um coma
atingindo apenas uma parte do corpo,
mas afetando todas as outras
dando tempo e espaço pra inexploradas sensações.

O livro me diz como agir,
o anúncio o que comprar,
a rádio o que ouvir
a mãe como me portar,
e todos me afetam.

Disseram-me que o amor é pra sempre
e que só existe um "verdadeiro amor".
Vivem me dizendo incontáveis coisas
e eu sempre escolho em quais quero acreditar,
pois nem todas me fazem convencido.

Forçar para que aconteça
é não saber lidar com jeito.
Impedir,
é interferir no curso natural.

Venho entendendo cada vez mais,
evitando certos pensamentos,
crescendo em uma frieza única
a qual eu já chamo de amiga...